Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ipea.gov.br/handle/11058/2715
Files in This Item:
File Description SizeFormat 
TD_878.pdf264.24 kBAdobe PDFView/Open
Title: Brazilian population ageing: differences in well-being by rural and urban areas
Other Titles: Texto para Discussão (TD) 878: Brazilian population ageing: differences in well-being by rural and urban areas
Envelhecimento da população brasileira: as diferenças de bem-estar por áreas rurais e urbanas
Authors: Camarano, Ana Amélia
Abstract: O principal objetivo deste trabalho é discutir a relação entre envelhecimento e dependência e o papel das políticas sociais perante as condições de domicílio dos entrevistados. Pergunta-se se ser idoso hoje é diferente de ser idoso no passado. Se isto for verdade, quais as condições de vida que são afetadas? Como as políticas de previdência social estão afetando essas condições? Visto que os dados em nível nacional mascaram as diferenças regionais, as diferenças regionais entre o Nordeste e o Sudeste, neste processo, são levadas em conta. Considera-se como idoso a população de mais de 60 anos. Quatro dimensões de vida do idoso são observadas: arranjos familiares, condições de saúde, atividades econômicas e renda. Leva-se em conta, também, a composição deste grupo etário por idade e sexo de acordo com as áreas rurais e urbanas. Os dados analisados são os das PNADs de 1981 e 1999. A evidência empírica mostra que, no Brasil, a relação entre envelhecimento e dependência não é tão direta. Os idosos brasileiros em 1999 viviam melhor do que em 1981, isto medido em termos de renda, níveis de pobreza, condições de saúde e esperança de vida. A proporção de idosos pobres e sem nenhum rendimento decresceu substancialmente no período. O impacto foi maior entre a população rural e, em especial, a feminina. As melhores condições de vida da população idosa são contrastadas com os efeitos das freqüentes crises econômicas experimentadas pela população brasileira. Estas têm afetado mais a população jovem através de desemprego, violência, drogas, gravidez precoce, separações etc. O nível de pobreza cresceu entre a população de 25 a 59 anos. Como resultado, aumentou o tempo em que os filhos adultos passam na condição de dependentes de seus pais. A composição das famílias com idosos está se modificando para se tornar mais complexa do que o esperado “ninho vazio”. Sumariando, pode-se dizer que tem havido uma mudança de status do idoso dentro da família, dada a modificação do seu papel tradicional de dependente para o de provedor. Três fatores foram responsáveis para isto: a expansão da cobertura da seguridade social e das políticas de saúde e os avanços na tecnologia médica. Entretanto, melhores condições de vida para os idosos têm implicado custos elevados para a seguridade social e as políticas de saúde. Entretanto, os efeitos inesperados da expansão da cobertura da seguridade social não devem ser negligenciados em nenhuma avaliação de política pública. São 13 milhões de famílias beneficiadas. Esse valor é suficiente para caracterizar a política de seguridade social como uma política moderna capaz de reduzir, pelo menos parcialmente, a pobreza no Brasil.
Rights holder: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea)
License: É permitida a reprodução deste texto, desde que obrigatoriamente citada a fonte. Reproduções para fins comerciais são rigorosamente proibidas.
Type: Texto para Discussão (TD)
Appears in Collections:Demografia. População: Livros



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.