Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ipea.gov.br/handle/11058/1759
Files in This Item:
File Description SizeFormat 
TD_1270.pdf333.3 kBAdobe PDFView/Open
Title: Desigualdade e bem-estar no Brasil na década da estabilidade
Other Titles: Texto para Discussão (TD) 1270: Desigualdade e bem-estar no Brasil na década da estabilidade
Inequality and welfare in Brazil in the decade of stability
Authors: Soares, Sergei Suarez Dillon
Osorio, Rafael Guerreiro
Abstract: O objetivo deste texto é analisar a evolução da desigualdade e bem-estar material de bens e serviços mercantis no Brasil no período de 1995 a 2005. Além da estabilidade monetária, este período é marcado por mudanças drásticas nos preços relativos, fazendo que a renda deflacionada por um índice homogêneo não seja um bom indicador de bem-estar. Neste texto, construímos índices de inflação para cada centésimo da distribuição de renda. Para tanto, usamos a POF de 2003 para estabelecer o gasto, por centésimo, em cada um de nove categorias de consumo, e o Sistema Nacional de Preços ao Consumidor para calcular a inflação de cada categoria. Com isso, construímos média das inflações de cada categoria ponderada pelos pesos calculados a partir da POF. Aplicando estes deflatores por centésimo da distribuição de renda à própria distribuição de renda calculada a partir das Pnads de 1995 a 2005, calculamos o poder de compra de cada centésimo. Com esta nova distribuição de renda, calculamos a renda média e o coeficiente de Gini, verificamos a existência de relações de dominância estocástica de primeira e segunda ordem e a existência de dominância de Lorenz, e finalmente calculamos o bem-estar usando funções de bem-estar de Atkinson com parâmetro de aversão à desigualdade variando de 0,1 até 0,9. Os resultados são os seguintes: i) a inflação no período 1995-2005 foi pró-pobre até o centésimo 93 e do centésimo 93 em diante foi pró-renda alta; ii) em conseqüência, o coeficiente de Gini caiu 0,61 a mais que quando se faz a deflação usando o IPCA; iii) surpreendentemente, a renda média deflacionada por centésimo, difere significativamente da renda média deflacionada pelo IPCA geral; e iv) quando usamos deflatores por centésimo, a renda média cai ao invés de aumentar no período 1995-2005.
Rights holder: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea)
License: É permitida a reprodução deste texto e dos dados nele contidos, desde que citada a fonte. Reproduções para fins comerciais são proibidas.
Type: Texto para Discussão (TD)
Appears in Collections:Economia. Desenvolvimento Econômico: Livros



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.