Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ipea.gov.br/handle/11058/8214
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.authorSogge, David-
dc.coverage.spatialAngolapt_BR
dc.date.accessioned2018-01-09T11:25:20Z-
dc.date.available2018-01-09T11:25:20Z-
dc.date.issued2017-07-
dc.identifier.urihttp://repositorio.ipea.gov.br/handle/11058/8214-
dc.description.abstractExiste uma hipótese de que os países ricos em recursos estão condenados à desordem política e ao desenvolvimento atrofiado, devido às elites domésticas e à sua insaciável busca de proveitos econômicos. Esta tese de “maldição dos recursos” persiste, apesar de dúvidas crescentes entre os estudiosos de que a tese oferece explicações adequadas. Com Angola como caso central, este artigo discute a tese e seus debates. Apesar de uma plausibilidade inicial, a tese de “maldição” explica o caso angolano de forma inadequada. Melhores explicações sobre as aflições do país podem ser construídas por meio da análise da economia política do país ao longo do tempo, especialmente a sua trajetória historicamente extravertida, sem desenvolvimento. Os remédios devem ser buscados globalmente se os incentivos que afetem as elites forem mudados.pt_BR
dc.language.isoen-USpt_BR
dc.publisherInstituo de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea)pt_BR
dc.titleAngola : como maldição?pt_BR
dc.title.alternativeAngola : whose curse?pt_BR
dc.title.alternativeAngola : cuán maldición?pt_BR
dc.typeRevista Tempo do Mundo - Artigospt_BR
dc.rights.holderInstituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea)pt_BR
dc.source.urlsourcehttp://www.ipea.gov.brpt_BR
dc.location.countryBRpt_BR
dc.description.physicalp. 243-262pt_BR
dc.subject.vcipeaIPEA::Quadro Institucional::Governo. Administração Pública::Administração Pública::Governabilidadept_BR
dc.subject.vcipeaIPEA::Condições Econômicas. Pesquisa Econômica. Sistemas Econômicos::Condições Econômicas::Padrão de Vida::Geração de Rendapt_BR
dc.rights.licenseÉ permitida a reprodução deste texto e dos dados nele contidos, desde que citada a fonte. Reproduções para fins comerciais são proibidas.pt_BR
dc.subject.keywordMaldição de recursospt_BR
dc.subject.keywordBusca de rendapt_BR
dc.subject.keywordIndústrias de hidrocarbonetopt_BR
dc.subject.keywordGovernança globalpt_BR
dc.relation.referenceshttp://repositorio.ipea.gov.br/handle/11058/8203pt_BR
ipea.description.additionalinformationHay una hipótesis de que los países ricos en recursos están condenados al desorden político y al desarrollo atrofiado debido a las élites domésticas ya su insaciable búsqueda de ingresos económicos. Esta tesis de “maldición de los recursos” persiste a pesar de dudas crecientes entre los estudiosos que la tesis ofrece explicaciones adecuadas. Con Angola como caso central, este artículo discute la tesis y los debates sobre ello. A pesar de una plausibilidad inicial, la tesis de “maldición” explica el caso angolano de forma inadecuada. Las explicaciones sobre las aflicciones del país pueden ser construidas a través del análisis de la economía política del país a lo largo del tiempo, especialmente su trayectoria históricamente extravertida, sin desarrollo. Los remedios deben ser buscados globalmente si los incentivos que afecten a las élites sean a ser cambiados.pt_BR
ipea.description.additionalinformationArtigo publicado em: Tempo do Mundo: v. 3, n.2 jul. 2017pt_BR
ipea.description.additionalinformationPossui referências bibliográficaspt_BR
ipea.description.additionalinformationISSN 2176-7025pt_BR
ipea.access.typeAcesso Abertopt_BR
ipea.rights.typeLicença Comumpt_BR
ipea.englishdescription.abstractResource-rich countries are said to be doomed to political misrule and stunted development because of domestic elites and their insatiable rent-seeking. This ‘resource curse’ thesis persists despite years of rising scholarly doubts that it offers adequate explanations. With Angola as its centrepiece, this article discusses the thesis and debates about it. Despite an initial plausibility, the ‘curse’ thesis explains the Angolan case inadequately. Better explanations of the country’s afflictions may be built by analysing the country’s political economy over time, especially its historically extraverted, growth-without-development pathway. Remedies must be sought globally if incentives affecting elites are to change.pt_BR
ipea.researchfieldsInserção Internacional Soberanapt_BR
ipea.classificationAdministração Pública. Governo. Estadopt_BR
ipea.classificationEconomia. Desenvolvimento Econômicopt_BR
Appears in Collections:Administração Pública. Governo. Estado: Artigos
Economia. Desenvolvimento Econômico: Artigos

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
TdM_v3_n2_Angola.pdf137.04 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.